Até aqui nos ajudou o Senhor

A intenção e clara transformar o Desfile Cívico Militar em um ato politico

05/08/2022

Sete de setembro 200 anos da independência, o país teria muito a comemorar "TERIA!". O que o presidente da república fala pela manhã, normalmente o que vem à cabeça é desfeito a tarde, o presidente acredita que suas decisões são absolutas. Quatro dias depois de ter anunciado a transferência do desfile militar para a orla de Copacabana no Sete de Setembro, a prefeitura do Rio publicou, no Diário Oficial, aviso de licitação para a montagem da estrutura do desfile em seu local tradicional, no centro da cidade. Elaborado pela Secretaria Municipal de Governo e Integridade Pública, o edital de pregão eletrônico PE-GI nº 814/2022 está disponível no portal www.comprasgovernamentais.gov.br e determina que a estrutura para o "Desfile-Cívico-Militar" deverá ser montada no entorno do Pantheon de Caxias, monumento que fica diante do Palácio Duque de Caxias, sede do Comando Militar do Leste, na Avenida Presidente Vargas, no Centro. O material inclui um croqui que detalha os trabalhos. O resumo do edital foi publicado na edição do dia 3, quarta, do DO. A prefeitura estima um gasto de até R$ 318.035,00 com a instalação de sistema de som, montagem de tribunas e de arquibancadas para mil pessoas e colocação de 200 banheiros químicos e grades de isolamento. A licitação está marcada para ocorrer no próximo dia 15. O edital contraria o presidente que deve estar tentando junto com seus milicos de pijama impor sua preferência. O prefeito da cidade, Eduardo Paes, afirmou em seu Twitter que a Avenida Atlântica "apresenta alguns desafios". Ressaltou que em primeiro lugar, todo o calçadão da praia possui um tombamento municipal e outro estadual; além disso, está protegido pelo título conferido pela Unesco ao Rio de Janeiro, na categoria paisagem cultural. O tombamento estadual (E-18/000.030/91), apesar de se referir ao "conjunto urbano paisagístico nas praias do Leme, Copacabana, Ipanema e Leblon", versa quase que inteiramente sobre Copacabana e o Calçadão, trazendo também um importante levantamento das espécies arbóreas usadas por Burle Marx para compor aquela paisagem, e que o bairro tem um grande número de moradores e o desfile traria transtornos a eles. "Obviamente, desafios que podem ser superados desde que se tenha organização e planejamento e se permita modificações na estrutura tradicional do evento", completou. Nos últimos anos, porém, a Av Atlântica tem sido palco de atos políticos a favor do presidente e por óbvio contra o ex-presidente petista. Uma manifestação de apoiadores do presidente está prevista para ocorrer no local no feriado de Sete de Setembro, o que deixa claro a intenção de transformar um evento cívico em político. De acordo com a Assessoria de Comunicação da PRJ (Prefeitura do Rio de Janeiro) até ontem (04) a administração municipal afirmou "até o momento, não recebeu nenhum pedido de alteração do local do desfile de 7 de Setembro e, por isso, segue com o trabalho de apoio logístico para que o evento ocorra em seu local tradicional, a avenida Presidente Vargas". Afirma a nota oficial