Até aqui nos ajudou o Senhor

Alem das ações das autoridades é necessário uma atitude responsável da população

25/04/2020

Sem nenhum tipo de achismo olhem esse artigo. O cientista Maksim Sonnenberg, está realizando um estudo para tentar definir a razão da baixa taxa de infeções no Vietnã. Syunnerberg aponta como razão principal ao baixo número de infecções, em grande parte à rapidez de ação das autoridades. Assim, logo no dia seguinte à primeira infecção, em 24 de janeiro, por despacho do Ministro da Saúde em exercício foi criado o Centro de Emergência de Combate à Infecção. Em 1º de fevereiro, o premiê Nguyen Xuan Phuc declarou estado de epidemia em três províncias, quando ainda só havia 6 casos de infecção. A tradição "histórico-militar do país" e a "atitude extremamente responsável do público" são fatores para a fraca propagação do coronavírus no país asiático. Vietnã registra 268 casos de contágio por SARS-CoV-2 e nenhuma fatalidade nesta quinta-feira (23). Com estes números, o Vietnã difere favoravelmente dos EUA, China, Japão, Coreia do Sul e vários outros países do Sudeste Asiático, e ainda mais relativamente à maioria dos países europeus. Essa atitude responsável tornou no dia 16 de março, obrigatório o uso de máscaras em locais públicos. Em 1º de abril, o primeiro-ministro emitiu um decreto declarando estado de epidemia em todo o país. Foi introduzido o regime de auto isolamento em todo o Vietnã. A partir desse dia só era permitido à população sair de casa para comprar alimentos e se deslocar a estabelecimentos de saúde e farmácias. Os resultados logo apareceram e no dia 23 de abril de 2020 o governo aliviou o auto isolamento nacional do coronavírus, em Hanói, Vietnã. O governo vietnamita é dos que tem a maior confiança da população em todo o mundo relativamente ao combate à pandemia da COVID-19, devido a saber aproveitar a "retórica histórico-militar do país", existente há séculos, para mobilizar a população. "A população entende o próprio vírus, e ele é assim caracterizado pelo primeiro-ministro, como um 'inimigo', para o qual o Estado e a sociedade devem mobilizar todas as forças." "Essa consolidação das autoridades e da sociedade permite esperar que a escala da epidemia no país seja das mais baixas do mundo, e que o próprio país saia dela sem as piores consequências negativas", comenta Maksim Syunnerberg.