Delegado depõe por mais de seis hora na PF em Curitiba

12/05/2020

O delegado Maurício Valeixo ex DG da Polícia Federal, chegou ontem às 10h10, na Polícia Federal de Curitiba, para prestar seu depoimento sobre a suposta interferência de Bolsonaro na PF. No depoimento que durou cerca de seis horas, o delegado confirmou ter recebido um telefonema do presidente, dia 23 de abril, perguntando se concordaria em sair da função, corroborando com as declarações do ex-ministro Moro, Valeixo disse que nunca houve pedido seu para ser exonerado. Suas declarações foram que"estava cansado" do assédio do Planalto e, por isso, deixou Sérgio Moro à vontade para trocar o comando da Polícia Federal, gentileza que não foi aceita por Moro, mas explorada pelo presidente da República. No telefonema recebido por Valeixo o presidente teria dito, não tenho nada "contra a sua pessoa", mas quero para a corporação um chefe com quem tenha mais "afinidade". Entretanto ele afirma "O presidente nunca tratou diretamente sobre a troca de superintendentes, nem nunca lhe pediu relatórios de inteligência ou informações sobre investigações ou inquéritos policiais". O próprio Sérgio Moro disse em seu depoimento que Bolsonaro tratou de eventuais demandas de relatórios de inteligência, pela primeira vez, na reunião do dia 22 de abril. Ele se demitiu dois dias depois. A PF deverá ouvir outras pessoas que também participaram da reunião, além de assistir o vídeo, com imagens dela.