Mais um demitido por trabalhar certo, tem alguma coisa errada!

16/04/2020

Alguns atos do ministro Ricardo Salles, nem Freud explica. Nos meses de janeiro, fevereiro e março de 2020 foram emitidos alertas para 796,08 km² da Amazônia, aumento de 51,45% em relação ao mesmo período de 2019, quando houve alerta para 525,63 km². De acordo com Paulo Barreto, engenheiro florestal do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia), os números indicam que o desmatamento em 2020 vai superar em muito, 2019. Mesmo com toda essa perspectiva, o ministro do meio Ambiente, Ricardo Salles, exonerou o major da Polícia Militar de São Paulo Olivaldi Borges Azevedo do cargo de diretor de Proteção Ambiental do Ibama, em Brasília. Pouco depois dele determinar a realização de uma megaoperação contra o garimpo ilegal em terras indígenas do Pará. Uma das razões para a operação do Ibama foi o risco de que os garimpeiros levassem o novo coronavírus para as aldeias. É bem assim, o diretor inicia uma operação para coibir as atividades ilegais na Amazônia e o ministro vem e o exonera. A sensação de funcionários do órgão é que sua demissão teria ocorrido porque ele "não conseguir segurar a fiscalização", que apertou os ilegais e queimou máquinas encontradas nos garimpos irregulares. Como foi mostrada em reportagem do Fantástico e que teria desagradado o governo. Estamos vivendo em um Brasil que o normal é "o poste fazer xixi do cachorro".