Até aqui nos ajudou o Senhor

Se tem um hospital de campanha perto de você, dá um jeito de entrar e filmar. 

13/06/2020

O presidente Jair Bolsonaro afirmou durante sua live de quinta-feira (11) que poderia haver "uso político" nos dados da pandemia do coronavírus. O presidente aproveitou sua live para incitar seus apoiadores a entrarem em hospital de campanha para filmar as instalações. O governo afirmou que fez "tudo" que era possível para conter o avanço da doença, ninguém morreu por falta de leitos no país. As informações que nós temos é que na totalidade ou em grande parte, ninguém perdeu a vida por falta de respirador e falta de UTI. Mas uma vez o presidente faz uma declaração sem dados. Ele concluiu "Agora, se tem um hospital de campanha perto de você, dá um jeito de entrar e filmar. Muita gente está fazendo isso, mais gente tem que fazer para mostrar se os leitos estão ocupados ou não". A politização das ações de combate ao coronavírus, não ajuda em nada.

Da mesma forma que, incentivar a invasão de unidade de saúde também não. Atendendo ao gatilho deflagrado pelo presidente em sua live do dia (11). Um grupo de pelo menos seis pessoas entrou no Hospital municipal Ronaldo Gazolla, unidade de referência no tratamento da Covid-19 no Rio, e invadiu alas restritas a médicos e pacientes na tarde desta sexta-feira. Uma mulher pertencente ao grupo, muito alterada, teria chutado portas, derrubado computadores e até tentado invadir leitos de pacientes internados. A confusão só teve fim quando GCM intervieram e retiraram os manifestantes. Segundo relatos de quem estava na Unidade de Saúde no momento, a turba entrou aos gritos pelo quinto andar da unidade dizendo que tinham direito de verificar os leitos. A ação dos baderneiros se deu, um dia após o presidente incentivar esses atos. Durante sua live semanal na internet o presidente deu a ordem "invadam os hospitais e filmem as condições do local"