Reedição do decreto de exoneração do DG da Policia Federal confirma declaração de Moro que não assinou documento 'CRIME'

26/04/2020

Colegas de Maurício Valeixo, com quem ele manteve contato durante a semana, confirmam que ele falava de sua possível saída do cargo de diretor geral da PF. Entretanto conforme declarou o ex-ministro Moro, os colegas confirmaram que o delegado 'nunca' falou em pedir demissão. Contrariando as declarações do presidente em seu pronunciamento e a publicação do DOU. O que alguns superintendentes da PF afirmaram foi que Valeixo confidenciou a eles que a troca de comando já estava sendo tratada entre o presidente e o ministro da Justiça. De acordo com o ministro não seria problema algum demitir o DG da Polícia Federal, desde que uma justificativa plausível que não fosse política lhe fosse apresentada, que não o foi. Na publicação da demissão de Valeixo, na edição de ontem pela manhã, constava a assinatura do ministro Moro e demissão a pedido. A noite em edição especial o decreto foi reeditado sem a assinatura do ministro que horas antes, declarou que não havia assinado o decreto anterior. Mesmo com a retirada de sua assinatura do documento, o ex juiz federal disse que ele ainda está irregular, "ao contrário do que dizem ambos os decretos, o primeiro e o reeditado, o agora ex-diretor-geral não saiu a pedido". Teremos outra reedição?