Até aqui nos ajudou o Senhor

"De boas intenções o inferno ta cheio".

05/11/2019

Um ditado antigo serve bem para os dias de hoje, "de boas intenções o inferno ta cheio". Com boas intenções o presidente declara ter removido a gravação da portaria do condomínio Vivendas da Barra, antes, segundo ele, que pudesse ser adulterada... De acordo com as investigações em curso no Rio de Janeiro, e declarações do porteiro de plantão a autorização para entrada de um dos participantes da chacina da vereadora Marielle Franco, teria partido da casa 58, e teria vindo do "seu Jair". Bolsonaro quase em surto, contesta esta declaração e apresenta provas de sua estada e participação de votações no plenário da Câmara. Quero aqui levantar uma questão. Na impossibilidade da coleta das digitais para o voto eletrônico, o deputado (a), fica impedido de votar, ou existe outra forma de registrar no painel, por exemplo por meio de senha? Só pra' saber. Além de demonstrar esta em Brasília, o filho do presidente Carlos Bolsonaro apresenta uma gravação, removida de forma irregular, lembrando que, como moradores, é possível solicitar CÓPIAS de gravações da unidade que o pertence, só ao apresentar o programa com os registros de todas as unidades, que pegou sem autorização, Carlos pode ter cometido um crime de invasão da privacidade, pela nova legislação, obter, adulterar ou destruir dados e informações sem autorização é crime, que pode levar a pena de prisão de três meses a um ano. Para completar este festival, as investigações da Polícia Civil, que tem tido o delegado que coordena os trabalhos, duramente atacado pelo presidente, aponta para mais uma armação, a voz no áudio apresentado pelo vereador licenciado Carlos Bolsonaro, não pertence ao porteiro que disse ter ouvido o ok do "seu Jair" e sim do outro porteiro do condomínio. Ai seria adulteração de provas.