Até aqui nos ajudou o Senhor

"Grevista não é bandido!"

19/02/2020

O Tribunal Superior do Trabalho, considerou que a greve dos petroleiros e ilegal. Na decisão o ministro Ives Gandra, ele autoriza a Petrobras a promover "sanções disciplinares" contra os grevistas, podendo até mesmo demiti-los. Com isso o TST fragiliza o movimento dos trabalhadores em todo o país. Um dos motivos da deflagração da greve (talvez o principal deles) foi exatamente a demissão em massa de trabalhadores da Araucária Nitrogenados (Fafen-PR). A decisão do ministro Ives, autoriza a Petrobras a descumprir acordo firmado com os trabalhadores e assinado no próprio Tribunal. Pelo acordo, a empresa, em cláusula se comprometia a não promover demissão em massa, A empresa ao assinar o acordo já havia decidido o fechamento da subsidiária e a demissão em massa dos seus trabalhadores. Isso sim é uma ilegalidade. De acordo com os grevistas essa decisão abre um sério precedente, quando "autoriza" a punição disciplinar de grevistas, ele rompe com a jurisprudência trabalhista priorizando o pedido de ilegalidade das empresa, em detrimento dos contratos individuais dos grevistas. A partir daí qualquer grevista poderá ser punido por defender seu direito de greve. Procedimento afinado ao Facismo que queima livros e persegue professores e cientistas. È perverso a autorização para violar acordo assinado, demitir em massa, desempregar e desindustrializar, mais perverso ainda rasgar a CLT que garante o direito à greve dos trabalhadores. O diretor da FUP (Federação Única dos Petroleiros), Deyvid Bacelar, resume em uma frase "Grevista não é bandido!"