Até aqui nos ajudou o Senhor

Ministro Guedes e sua "aporofobia"

21/02/2020

Nossos agradecimentos ao ministro da Economia que nos deu a oportunidade de relembrar uma palavra e enriquecer nosso vocabulário. De acordo com a filósofa espanhola Adela Cortina, é importante chamar as coisas pelo seu verdadeiro nome. E o verdadeiro nome dos atos praticados pelo ministro Guedes nos últimos dias é "aporofobia". Em grego, a palavra á-poros significa "sem recursos", portanto, o termo aporofobia significa "rejeição ou aversão aos pobres". Quando damos o nome certo ao ato, percebemos quão vil é a sua prática. Ninguém tem antipatia pelos turistas estrangeiros que invadem as nossas cidades e trazem recursos, algumas vezes aliciam jovens e adolescentes em buscas de uns poucos trocados. Ninguém tem antipatia pelos financiadores estrangeiros que abrem ou adquirem empresas entre nós, ninguém tem antipatia aos ataques gratuitos sofridos pela sociedade. O problema é o pobre e o que ele representa. A incapacidade do poder público em combater a desigualdade. No último ano, mudaram rapidamente as formas em que a ricos são mais ricos, e aumenta o número dos pobres mais pobres. O ministro da Economia ao invés de buscar formas para resolver a situação de uma forma séria, acha mais fácil deixar os pobres do lado de fora da porta de casa. Pegou muito mal a fala do ministro Guedes, que até já pediu desculpas, mais reflete exatamente o que pensa essa nova forma de fazer politica.