Até aqui nos ajudou o Senhor

Feriado da Republica foi o mais violento do ano

20/11/2019

Sem os radares nas rodovias federais e estaduais do país removidos por ordem do presidente, o feriado da Proclamação da República, chegou a superar o carnaval em letalidade. Segundo a PRF, ou seja só nas estradas sob circunscrição da PRF no estado Minas Gerais, foram registrados 147 acidentes em que 200 pessoas ficaram feridas. O feriado terminou com 22 mortos nas estradas (federais). Em 2018, mesmo com um dia a mais, a Operação Proclamação da República registrou 123 acidentes com 199 feridos e nove mortos. Durante este ano acidentes como colisões frontais, capotamentos, atropelamentos, colisões com objeto fixo e saída de leito carroçável, em sua maioria motivado pelo excesso de velocidade, a baixa visibilidade e as pistas escorregadias por conta das chuvas. O balanço oficial também apontou para 492 motoristas que foram multados depois de serem flagrados ultrapassando locais proibidos. Seis condutores foram presos após o teste do bafômetro, que acusou uso de álcool, felizmente um baixo número em relação a outras faltas cometidas. Lembrando que em um dos acidentes na sexta-feira (15) uma criança de aproximadamente 2 anos só saiu ilesa do choque e capotamento do veículo, porque estava presa à cadeirinha, outro item, que assim como os radares, é considerado desnecessário pelo governo. Talvez seja hora de repensar essa decisão. Falamos sempre que não devemos cortar a arvore por conta de uma fruta podre. É preciso acabar com a industria das multas e não com os radares.