Acordo Senado e Camara preve aprovação de PECs emergencias só esta descartada nas casas a criação de nova CMPF

21/12/2019

Depois das declarações do presidente da câmara dos deputados, Rodrigo Maia, agora foi o senador Davi Alcolumbre presidente do Senado, quem afirmou ontem (20) que a criação de um novo imposto não tem chances de aprovação no Senado, independentemente do nome ou modelo a ser adotado. "É improvável o Senado aprovar alguma coisa que seja para aumentar a carga tributária dos brasileiros", disse o presidente do Senado. "Não passa a criação de um novo imposto, seja ele qual for", acrescentou. Embora já exista a pressão por parte do ministro Paulo Guedes. Como o governo não tem credibilidade no quesito emendas parlamentares, acredita-se que não tenha nada para barganhar . De acordo com Alcolumbre em café da manhã com jornalistas, Na pauta prioritária para 2020 está a chamada PEC paralela, que foi a alternativa encontrada por senadores para alterar a reforma da Previdência sem atrasar sua tramitação. Ainda segundo o senador ficou acertado entre Senado e Câmara dos Deputados acertou uma lista de propostas prioritárias, que incluem a autonomia do Banco Central, a securitização das dívidas e matéria sobre precatórios, em tramitação na Câmara, e ainda projeto que atualiza o marco do saneamento, e as PECs emergenciais do pacto federativo, além da reestruturação tributária. O acordo prevê o espaço para o avanço dessas matérias, a despeito do ano eleitoral.