Justiça do Rio de Janeiro quebra sigilo de executores de Marielle Franco

05/03/2020
Foto Divulgação/Arquivo Diario do Aço
Foto Divulgação/Arquivo Diario do Aço

Finalmente a Justiça do RJ quebrou o sigilo fiscal e bancário de Ronnie Lessa e Elcio Queiroz, presos e acusados de ter assassinado a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018. A polícia já sabe que a morte da vereadora não foi mero acaso e sim um plano muito bem arquitetado, para qual ainda tenta identificar o, ou os mandante(s). Além da quebra do sigilo dos dois suspeitos de terem cometido o assassinato, outras cinco pessoas também tiveram seus sigilos abertos pela justiça. Suspeita-se que elas atuavam como laranja(s) dos ex-PMs. Depois de quase seis meses parados por determinação STF, que suspendia das investigações envolvendo relatórios do antigo COAF. A investigações retomaram depois do julgamento da questão no Plenário do STF, explicou o delegado Thiago Neves. O pedido foi feito pelo Departamento de Combate à Corrupção, Crime Organizado e Lavagem de Dinheiro da Polícia Civil do RJ. E os investigadores acreditam que dará nova luz as investigações.