Um erro não justifica outro...

19/12/2019

Estão todos equivocados, o MST denuncia ter sido vítima de truculência policial, quando o Acampamento Pátria Livre um célula localizado em São Joaquim de Bicas, região metropolitana de Belo Horizonte, foi invadido sem propósito por viaturas da PM. Segundo apurações preliminares a ação policial teria prejudicado a realização da formatura de 150 estudantes da Escola Elizabeth Teixeira. Uma ocupação policial que a princípio não tinha necessidade de ocorrer e que certamente será apurada pela Polícia Militar. Uma ação que não da legalidade alguma para a nota do MST, "O MST repudia a ação da Polícia Militar. Não há motivos para instalar base dentro do nosso território, nosso combate a criminalidade acontece com a conquista da terra, da educação e na produção dos alimentos saudáveis. A Polícia Militar é responsável pela violência e criminalização das periferias, promovendo o extermínio do povo pobre, especialmente, os jovens negros. Dentro do nosso acampamento isso jamais será permitido", diz a nota. Em primeiro lugar quando a nota diz "dentro do nosso território" e uma forçação de barra dos líderes do movimento, e piora quando declara ser a PM responsável pela violência e criminalização das periferias, promovendo o extermínio do povo pobre, especialmente, os jovens negros. Diz ainda a nota "No dia 21 de janeiro está marcada uma vistoria do Juiz Walter Zwicker Esbaille Júnior. e qualquer questão em relação a posse da terra será discutida na Audiência de Conciliação, no dia 23 de janeiro, no Fórum Lafayette. O MST reafirma o compromisso com as famílias sem terra na luta por uma vida digna, em meio ao avanço da mineração na região, com o crime da Vale na bacia do Paraopeba". Por questão de justiça a Polícia Militar de Minas Gerais e as corporações espalhadas por todos os estados são em sua esmagadora maioria compostas de bons policiais, que cumprem seu dever com a justiça e a lei. Mas obviamente tem em seu seio maus elementos. Assim como o tem também o MST, esperamos atenção por parte do movimento em suas próximas notas, para que não tentem apagar o fogo, jogando inflamável. Fica a dica.