Até aqui nos ajudou o Senhor

Se alguém contasse, não acreditaria!

05/03/2020

Olha só que fato inusitado, um material de 2018, sofreu pequenas atualizações agora em 2020 e deveria servir de base para criação de um protocolo de segurança e agora com a mudança do nome, "Programa de proteção a comunicadores". Parece mais uma pegadinha o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, da ministra Damares Alves, lançando uma cartilha sobre a proteção dos direitos dos jornalistas. O documento defende, por exemplo, que as autoridades públicas "têm a obrigação de condenar veementemente agressões contra jornalistas" e que o governo federal tem "o compromisso de não sancionar qualquer meio de comunicação ou jornalista por difundir a verdade, criticar ou fazer denúncias". O texto ainda diz "os agentes do Estado não devem adotar discursos públicos que exponham jornalistas e outros comunicadores e comunicadoras a maior risco de violência ou aumentem sua vulnerabilidade, é essencial que autoridades estatais reconheçam constante, explícita e publicamente a legitimidade e o valor do jornalismo e da comunicação, mesmo em situações em que a informação divulgada possa ser crítica ou inconveniente aos interesses do governo". Isso em um dia em que o presidente mais uma vez oferece bananas de forma indecorosa aos profissionais de imprensa que cobrem o dia a dia do Palácio e do presidente. No mínimo esses profissionais merecem respeito, estão ali a trabalho, exercendo a nobre função de informar. Enquanto o mandatário da não faz um circo do ato. Como diria Boris Casoy "Isso é uma Vergonha"!