Apuração superficial do TCU mostra que pagamentos indevidos do Auxilio Emergencial pode chegar a R$ 1 bilhão

14/07/2020

O TCU (Tribunal de Contas da União), apurou superficialmente que os prejuízos em pagamentos de auxílio emergencial pode chegar a R$ 1 bilhão. Os números podem chegar a 620 mil beneficiários irregulares, dos 235 milhões de beneficiário. Entre eles servidores públicos, brasileiros com renda acima do limite para cumprir o requisito e até pessoas listadas como mortas. Além de acúmulos de benefícios como no caso de seguros desemprego e auxílio reclusão. O TCU cruzou informações do banco de dados do INSS e da Receita Federal. Agora o governo federal tem 15 dias para esclarecer esses fatos e apresentar medidas que coíbam essas ações. Segundo o Ministério da Cidadania, antes mesmo do relatório do TCU, cerca de 400 beneficiários já haviam sido bloqueados do programa. Dos 400 mil, 61 mil eram funcionários públicos e mais de 2 mil eram presidiários. Nessa lista ainda foram detectados militares da ativa e da reserva , empresários na ativa e donos de pequenas fortunas, ou seu parentes. Essas práticas comuns nesse processo, sem providências imediatas, põem em risco a continuidade do programa , já que a equipe da economia diz não ter recursos para mantê-lo.