Secretário de Cultura acredita estar acima de lei e persegue servidor pela rede social

17/01/2020

A Casa de Rui Barbosa é um centro de pesquisa e mantém acervos de intelectuais e escritores. Portanto deveria ser um espaço para o livre pensamento, 'deveria'. Até que o secretário de Cultura resolveu perseguir um servidor concursado e desde 2014 na instituição. E o pior, sob o manto da impunidade que cobre todo o ministério do NOVO governo, o secretário Rogério Alvim expõe sua perseguição nas redes sociais. De acordo com o servidor identificado como Christian E. C. Lynch, por causa de posições contrárias ao governo Jair Bolsonaro. Está havendo demissões em massa no que é considerado o primeiro museu-casa do Brasil. Em resposta Alvim postou "Christian E. C. Lynch é servidor concursado da @casaruibarbosa desde 2014, o que me impede de dispensá-lo, mas não me impede de manifestar meu absoluto desprezo por suas ideias execráveis sobre @jairbolsonaro. Já tornei sem efeito sua nomeação para o cargo de confiança na FCRB". Outros cinco dos principais pesquisadores da instituição também foram afastados. Bolsonaro nomeou para a presidência da instituição Casa Rui Barbosa uma indicada do pastor evangélico e deputado federal Marco Feliciano, ex-Podemos. Letícia Dornelles é ex-roteirista de novelas da Record, passando por cima da preferência dos funcionários pela filósofa Rachel Valença, estudiosa com apenas 33 anos de casa e empatia geral. Isso é Meritocracia?