Até aqui nos ajudou o Senhor

Mas constrangimento internacional

08/12/2019

O deputado Eduardo Bolsonaro, na qualidade de presidente da Comissão Relações Exteriores da Câmara, para Israel e mais uma vez não perdeu a oportunidade de causar constrangimentos. Ao conceder uma entrevista a uma TV israelense o deputado falava como porta voz do presidente chegando até em um determinado momento da entrevista a desmenti-lo. Ao ser perguntado pelo repórter a respeito da mudança de Embaixada de Tel Aviv para Jerusalém , Eduardo com seu inglês fluente respondeu "Temos que ser muito responsáveis com esse procedimento. Eu costumo dizer que, se nós temos uma só bala, não podemos perder o alvo. Ano que vem, talvez vejamos toda a embaixada mudar para Jerusalém", questionado se isso aconteceria em 2020 respondeu "não posso confirmar, mas realmente espero que isso aconteça". Sem levar em consideração que o presidente voltou a trás dessa ideia logo depois de eleito, em função da reação de diversos setores, principalmente do agronegócio brasileiro, que tem os países árabes como principais clientes. Poderia terminar por aí, estaria de bom tamanho, o repórter então resolveu perguntar acerca de homofobismo. O que você pensa da comunidade LGBT?, indagou-lhe o jornalista. Eduardo demonstrou todo seu desconhecimento e respeito às políticas e tradições locais, sem levar em consideração que desde 1992 a homofobia é considerada crime no país, que Tel Aviv e eleita a cidade mais gay friendly do mundo. Sua parada atrai mais de 200 mil turistas anualmente e que em 2017 uma pesquisa apontou que 79% da população apoiava o casamento homoafetivo. O deputado respondeu "Não me importo. Se você diz que só é preciso amor para ser uma família, você vai dizer que eu e meu cachorro, eu amo meu cachorro, somos uma família. Entende? Você abre a porta para muitas coisas". O espanto do repórter ficou tão explícito que Eduardo resolveu editar a entrevista antes de publicá-la em suas redes. Já pensou Embaixador?