Cinco grandes igrejas no Brasil devem ao governo R$ 276 milhões. Enquanto isso a culpa do deficit do governo e nossa

25/01/2020

Felizmente a tempo, o presidente recuou (mais uma vez) de uma decisão e desistiu de subsidiar o consumo de energia dos templos religiosos. Mesmo assim, apesar de serem isentos de uma série de impostos, os principais líderes evangélicos que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro possuem uma dívida acumulada de 276 milhões de reais com o governo federal, segundo a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. Grande parte desse dinheiro deveria ter sido pago através de taxas como o INSS de funcionários. Enquanto isso nós somos os vilões do déficit econômico do país. No topo dessa lista está a Igreja Internacional da Graça de Deus, do pastor Romildo Ribeiro Soares (RR Soares), que deve ao governo 139,7 milhões. Em segundo, a Igreja Mundial do Poder de Deus, com 85,9 milhões, seguida pela Igreja Renascer em Cristo (31,3 milhões), Igreja Evangélica Assembleia de Deus (9,8 milhões) e Igreja Batista da Lagoinha (9,4 milhões). Imaginem quanto não se pode fazer especialmente na saúde, se essas dívidas fossem cobradas e pagas. Em meio a tudo isso o governo precisa de no mínimo 491.967 eleitores em apoio à criação da nova legenda, o que já foi prometido por essas igrejas.