Onde estão as verbas do municipio? O povo precisa saber.

18/12/2019

A cidade de Uberlândia voltou a ser notícia ontem (17). Depois do escândalo dos vereadores presos por malversação de verba pública, a 1ª Vara Federal de Uberlândia, em Minas, condenou dez hospitais do Triângulo Mineiro, três em Araguari e sete em Uberlândia por aplicarem o Preço Máximo ao Consumidor (PMC), dos medicamento fornecidos, já que este é o preço a ser praticado pelo comércio varejista, ou seja, farmácias e drogarias. De acordo com a sentença do juiz federal Lincoln Rodrigues de Faria mesmo atuando como "dispensários de medicamentos", os hospitais não podem aplicar o PMC nos medicamentos e estão descumprindo um o ato infralegal editado pelo CMED, que autoriza por lei. "As cobranças dos seus medicamentos ministrados a pacientes, sendo realizadas pelo método Preço Fabricante fixado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), nos moldes da Resolução CMED n° 3/2009". Sendo portanto proibido a utilização do Preço Máximo ao Consumidor, por não ser um comércio varejista de venda de medicamentos. Primeiro o legislativo, agora a saúde. Onde enfim, foi bem usado as vebas publicas do município? O povo precisa saber.