Até aqui nos ajudou o Senhor

Novo capítulo no caso Marielli. Possível intoxicação alimentar, coloca Bolsonaro no Rio de Janeiro 

14/11/2019
Foto Divulgação/Aquivo Revista CULT
Foto Divulgação/Aquivo Revista CULT

O Jornalismo da Rede Globo, divulgou no final de outubro, informações acerca do assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista no Rio de Janeiro. Na ocasião o presidente gravou uma live muito irado e cobrindo o jornalismo da emissora de todos os adjetivos impronunciáveis e ameaçou a concessão de empresa. Na oportunidade ele refutou as declarações do porteiro do condomínio onde morava, que foi dada a polícia em depoimento oficial. Em sua defesa disse que no dia em questão estava em Brasília. Só que ao retornar ao Brasil, todas as ações que envolvem esse caso, mais complica, do que explica. Carlos Bolsonaro, apresenta registros e áudios da portaria do condomínio que indicavam que o porteiro não ligou para a residência do presidente e portanto a voz no áudio não era a dele. Uma perícia relâmpago, confirmou esses fatos. Entretanto a rapidez com que a perícia técnica deu seu parecer, levantou dúvidas e um outro parecer detectou que a voz do porteiro na gravação, não era do porteiro do depoimento. O que aconteceu a seguir foi a questão ética da remoção de todos os dados e arquivos daquele dia 14/03/2018 do servidor da portaria, sob a alegação de preservá-la contra adulteração, função que deveria ser da equipe de investigação e não de possível investigado. Agora um novo fato surge. De acordo com uma postagem no seu Twitter a jornalista Thais Bilenky, que cobria o congresso no dia 14 de março de 2018 declarou às 12h28 "Bolsonaro teve uma intoxicação alimentar, passou mal e, nos últimos dois dias, precisou reduzir bem o ritmo da agenda. Até voltou mais cedo (hoje) pro Rio. Disse a sua assessoria". A postagem revela uma contradição que precisa ser investigada já que, após ter seu nome citado no caso, Bolsonaro afirmou em uma live que estava cumprindo agenda em Brasília (DF). Tudo isso pode ser classificado de sujeira no fundo da água limpa, quanto mais se mexe, menos transparente ela fica. Que se siga as investigações.