Juiz de Fora o retrato do abandono

20/12/2019
Foto Divulgação/Arquivo Fernando Priamo
Foto Divulgação/Arquivo Fernando Priamo

Juiz de Fora e a cidade polo da nossa região, seguimos sempre a cidade quando na maioria das vezes precisamos adquirir produtos atacado, realizar exames clínicos e tratamentos de saúde especializados e muitas outras necessidades. Entretanto hoje tanto nós que viajamos algum tempo para chegar, como os juizforanos naturais, tem visto que tem algumas ruas dentro de muitos buracos espalhados na cidade. Todos reclamam do abandono da cidade. Agora foi verificado outro descaso da Secretaria de Transportes e Trânsito da Prefeitura de Juiz de Fora (Settra/PJF). Dos 23 pontos com radares registrados na site da secretaria quase a metade, 11 deles para sermos exatos, estão sem os equipamentos de fiscalização eletrônica. Os radares de vias urbanas têm finalidades importantes; controlam avanço de semáforo, parada de veículos sobre faixa de pedestre ou velocidade acima do permitido na via, podendo, dependendo da localidade, verificar simultaneamente os três tipos de infração. O secretário de Comunicação Pública, Ricardo Miranda, confirmou as ausências dos equipamentos nos pontos indicados e informou que a Prefeitura "está trabalhando para resolver a questão de forma imediata". Que imediatismo é esse, que dura desde setembro de 2018, quando iniciou o processo licitatório. De acordo com Miranda, a empresa contratada, a GCT, não repõe os radares desde o término do contrato junto à PJF, que ocorreu em setembro. A medida, já avaliada pela PGM, é a de promover uma contratação emergencial, medida que mantém o serviço em operação, apesar do bloqueio recursal existente no processo licitatório, um imbróglio que já foi parar na Procuradoria Geral do Município (PGM). Enquanto isso a prefeitura se nega a responder se alguém está operando e se ainda encontram-se em operação os existentes. Isso para nós usuários é que importa.