A violência reduziu... As mulheres continuam morrendo tem alguma coisa errada

26/12/2019

Festejar dados, como a redução da taxa de violência, sem balizamento real e em um espírito de festa, onde as pessoas estão muito receptivas a boas notícias é ótimo. Triste é quando você olha para o lado e vê que a realidade é bem outra. Uma das violências que mais cresce em todo o país, é o feminicídio é muito comum ouvir a frase "ela procurou", quando não existe justificativa, para o injustificável. Na noite do dia 24 e na madrugada e manhã de Natal, em poucas horas, três cruéis assassinatos e uma tentativa todas contra mulheres. Certamente muitos outros nem tenham sido divulgados já que a média hoje são 13 por dia. O país ocupa a 5ª colocação mundial de mortes violentas de mulheres. Os três casos aconteceram em São Paulo o primeiro colocado no ranking nacional. No Leme interior Paulista na noite de (24), uma mulher de 68 anos foi morta por golpes de marreta, após uma discussão banal. Em Casa Branca depois de outra simples discussão um homem de 35 anos matou com 25 facadas a mulher, de 29 anos. E o caso em Américo Brasiliense, um jovem de 29 anos Uemes de Almeida Lopes, teria procurado a ex-companheira possivelmente numa tentativa de reatar, os dois acabaram tendo uma discussão. Quando o homem de 29 anos empurrou a mulher, a filha dela, a estudante Carolane Moreira Almeida, de 18 anos, interveio. A adolescente foi empurrada, golpeada seis vezes e morta, a mãe também foi atingida quatro vezes, ela foi levada à Santa Casa e passou por cirurgia. Na tarde de ontem (25), seu estado era grave. Espera-se que neste novo ano o Senado avance na proposta que torna o feminicídio imprescritível.  Em importante entrevista na nossa parceira RCWTV o jornalista Roberto Desidério entrevistou no programa Conversa Afinada as Delegadas Dra. Sônia Parma e Dra. Ione Barbosa, essas sim podem dar um quadro real dessa situação. Ela assumiram a direção do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, e já tem importantes planos a serem implementados tendo como objetivo a segurança máxima da mulher em situação de risco em Juiz de Fora e região. Nossos parabens as Dras. Ione e Sonia.