Funcionários do Banco Mundial pedem por carta investigação contra Weintraub 

25/06/2020

A associação de funcionários do Banco Mundial enviou ao Comitê de Ética uma carta pedindo uma investigação contra o ex-ministro. No documento protocolado na manhã de ontem a associação pede que a nomeação de Weintraub fosse suspensa até a conclusão do processo. Na carta a associação destaca as suas falas preconceituosas, contra a China e as minorias, e os ataques feitos por ele ao STF (Supremo Tribunal Federal). "O Banco Mundial acaba de assumir uma posição moral clara para eliminar o racismo em nossa instituição. Isso significa um compromisso de todos os funcionários e membros do Conselho de expor o racismo onde quer que o vejamos. Confiamos que o Comitê de Ética compartilhe dessa visão e faremos tudo ao alcance para aplicá", diz um trecho da carta. Mesmo condenada por vários países clientes, a associação reitera que a escolha para este cargo e exclusivo do Brasil, entretanto pedem que sejam respeitados os padrões de integridade e de ética na conduta pessoal e profissional, estando estes em linha com práticas e políticas adotadas pelo banco. A associação ressalta que "embora sua indicação tenha sido condenada por vários países clientes, a Associação de Funcionários entende que a escolha deste diretor executivo é do Brasil e somente do Brasil", mas observam que é preciso respeitar padrões de integridade e de ética na conduta pessoal e profissional, estando estes em linha com práticas e políticas adotadas pelo banco. Na conclusão do documento a associação declara "Solicitamos formalmente ao Comitê de Ética que reveja os fatos subjacentes às múltiplas alegações, com intenção de (a) colocar sua indicação em espera até que essas alegações possam ser revisadas e (b) garantir que o Sr. Weintraub seja avisado de que o tipo de comportamento pelo qual ele é acusado é totalmente inaceitável nesta instituição"