Parece que mentir no currículo e uma das necessidade para assumir vaga no ministério do governo 

27/06/2020

Ao empossar o professor Carlos Alberto Decotelli a frente da pasta da Educação do governo, o presidente da mais um passo para militarização total do governo. Decotelli passa a ser o 11º militar a ocupar um cargo no primeiro escalão na presidência. O novo ministro da Educação é oficial de reserva da Marinha e foi professor da Escola de Guerra Naval. Ele também ajudou a criar um curso de MBA em Finanças junto com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Antes de deixar a presidência do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), Decotelli teve uma licitação de R$ 3 bilhões suspensa por suspeita de fraude. De acordo com uma auditoria da CGU (Controladoria Geral da União), a licitação que tinha o objetivo a aquisição de eletrônicos computadores, notebooks, projetores e lousas digitais para o uso de alunos da rede pública de ensino de todo o Brasil, entretanto havia uma quantidade muito maior de equipamento do que o efetivamente necessário. Outro fato estranho foi o da publicação do edital ter ocorrido em 21 de agosto, uma semana antes de Decotelli sair da presidência do FNDE. Outro fato no mínimo interessante é que Decotelli, colocar em seu currículo um Doutorado que não possui. Segundo Franco Bartolacci, reitor da Universidade Nacional de Rosário, o ministro não possui o título de doutor para instituição. Terá sido mais uma mera semelhança?