Antes tarde do que nunca

13/05/2022

Por quase três anos o FAB (Força Aérea Brasileira) mantinha em seus quadros com todos os direitos garantidos o sargento Manoel da Silva Rodrigues, que foi detido na Espanha, em junho de 2019, com 39 quilos de cocaína em um dos aviões da FAB que dava apoio à comitiva presidencial. Ontem (12) a FAB informou nesta quinta-feira (12) ter excluído definitivamente de suas fileiras o sargento Manoel da Silva Rodrigues, de forma definitiva 'a bem da disciplina' e com perda de grau hierárquico, a decisão é decorrente do processo administrativo aberto logo após Manoel ser flagrado transportando a cocaína, para analisar a conduta do militar, 'sob o prisma da ética militar'. Em fevereiro, o militar foi condenado pela Justiça Militar da União a 14 anos e seis meses de reclusão por tráfico internacional de drogas. Na Espanha ele já cumpre uma condenação na Justiça espanhola, de 6 anos e um dia de prisão. Rodrigues não faz mais parte das FFAA, o Conselho Permanente de Justiça para a Aeronáutica, por unanimidade, reconheceram que Manoel da Silva Rodrigues utilizou a estrutura da corporação para exportar dezenas de quilos de drogas.