CASO PORSCHE S. PAULO - A verdade somente a verdade nada mais que a verdade

09/07/2024

Juliana de Toledo Simões, namorada do homem que estava de carona no Porsche que colidiu com outro veículo, causando a morte de um motorista de aplicativo em 31 de março, em São Paulo, ficou emocionada durante a audiência de instrução ao afirmar que decidiu dizer a verdade sobre o ocorrido. O depoimento de Juliana foi dado em 28 de junho, no mesmo dia em que o passageiro Marcus Vinícius Machado Rocha e Giovanna Pinheiro Silva, namorada do empresário que dirigia o Porsche, também prestaram depoimento. O motorista, Fernando Sastre de Oliveira Filho, é réu por homicídio doloso qualificado e lesão corporal gravíssima. Na audiência de instrução, fase do processo penal destinada a reunir todas as provas e depoimentos das testemunhas, Juliana confirmou que Fernando havia ingerido bebida alcoólica antes de dirigir o carro. Ela também revelou ter sido pressionada por amigos do réu a não divulgar o que sabia, pois poderia ser vista como traidora. "Isso foi dito uma vez que a gente tinha chamado uns amigos para a nossa casa depois do acidente. Certamente eles queriam ver como o Marcus estava, pois ele tinha recebido alta, e aí lá a gente começou a conversar sobre todo corrido", explica. "Cheguei a falar que eu tinha que falar toda a verdade porque era um caso muito complexo, que não era algo simples, que diz respeito a duas vidas, uma que se perdeu e outra que quase se perdeu."

Com informações do jornal O Globo e do site Metrópoles