Até aqui nos ajudou o Senhor

Lá vem o Brasil, descendo a ladeira!

22/07/2019

O mundo assiste estarrecido os desgovernos, do governo bolsonaro, não é brincadeira quando o comparamos a rainha de copas da estória de Alice no País das Maravilhas, que ao primeiro sinal de contrariedade grita "Corte-lhe a Cabeça" , como eu gostaria que fosse só brincadeira (todos os textos em destaque deste artigo, são falas do presidente algumas ipsis litteris. Em três dias da última semana nosso presidente chegou ao extremo da fanfarronice e quase, repito "quase" (quero manter minha cabeça no pescoço) mandou seus eleitores se danarem. "Quem diz que não vai votar mais em mim, paciência [...]. É igual aquele maridão malandro. Está lá, felicíssimo com a mulher seis meses depois do casamento. Em um dia lá, a mulher queima o ovo dele. Ovo na frigideira, pra deixar bem claro. Pronto, já que acabar com o casamento. Não tem cabimento isso aí. Vai ter coisas que eu vou desagradar vocês", disse Bolsonaro a respeito da sua imposição (não indicação) do 03 embaixador e ainda completa "Lógico, que é filho meu, pretendo beneficiar filho meu, sim. Pretendo, se puder, dar filé mignon, eu dou, mas não tem nada a ver com filé mignon, nada a ver, é realmente, nós aprofundarmos um relacionamento com um país que é a maior potência econômica e militar do mundo". Chama de forma pejorativa o povo batalhador do nordeste de "paraíbas", e incita ministros a virarem as costas para o nordeste, "Entre aqueles governadores de 'paraíba', o pior é o do Maranhão. Não tem que ter nada com esse cara", disse Bolsonaro, referindo-se ao governador do Maranhão é Flávio Dino, o áudio e de uma conversa ao pé de ouvido com o ministro Lorenzoni . Diz que no país não existe fome, mostrando seu desconhecimento entre fome e miséria, o Relatório sobre a Fome no Mundo da FAO destaca sim uma queda nos índices da fome no Brasil e isso nada tem haver com o novo governo, indica poder haver ainda mais de 5 milhões de desnutridos no país. Ataca o relatório do Inpe, sobre o desmatamento, em resposta o Diretor o órgão Ricardo Galvão disse "Tenho 71 anos, 48 anos de serviço público e ainda em ativa, não pedi minha aposentadoria. Nunca tive nenhum relacionamento com nenhuma ONG, nunca fui pago por fora, nunca recebi nada mais do que além do meu salário com o servidor público", respondeu Galvão, que afirmou que não irá se demitir. Ele ainda criticou o comportamento adolescente de Bolsonaro. "Sou republicano e [acredito] que ele tem várias propostas que vão em benefício do país, mas ele tem tido realmente comportamento que não respeitam a dignidade e liturgia da Presidência". Bolsonaro ataca a jornalista Miriam Leitão a chamando de mentirosa, sobre os horrores que sofreu na ditadura, E, de forma equivocada, afirmou que a jornalista "tentou impor a ditadura no Brasil na luta armada". Em nota o Grupo Globo responde em nome da jornalista " Miriam Leitão nunca participou ou quis participar da luta armada. À época militante do PCdoB, Miriam atuou em atividades de propaganda. Ela foi presa e torturada, grávida, aos 19 anos, quando estava detida no 38º Batalhão de Infantaria em Vitória. No auge da ditadura de 64, em 1973, Miriam denunciou a tortura perante a 1ª Auditoria da Aeronáutica, no Rio, enfrentando todos os riscos que isso representava na época. Narrou seu sofrimento aos militares e ao juiz auditor e esse relato consta dos autos para quem quiser pesquisar. A jornalista foi julgada e absolvida de todas as acusações formuladas contra ela pela ditadura. A absolvição se deu em todas as instâncias." A repórter Isadora Peron e chamada de feia  ao questionar sobre possível dificuldade na tramitação da reforma, já que a bancada nordestina e bastante expressiva e se sentirão ofendidos com o tratamento pejorativo do presidente, em resposta ouviu "Pelo amor de Deus, né. Se eu te chamar de feia agora, acabou o mundo. Todas as mulheres vão estar contra mim". A poucas horas, chamou o General da reserva Luiz Rocha Paiva "melancia" (jargão usado entre os militares para designar membros supostamente envolvidos com comunista) e de "defensor da guerrilha do Araguaia", só porque o chamou de antipatriótico ao se referir aos nordestinos como "paraíbas. Como temos que parar de em algum  momento (porque se não escreveríamos sem cessar) faço minhas as palavras do diretor do Inpe Ricardo Galvão "Sou republicano e [acredito] que ele tem várias propostas que vão em benefício do país, mas ele tem tido realmente comportamento que não respeitam a dignidade e liturgia da Presidência". Ao tentar consertar o estrago é sempre maior, Reafirmo o que já escrevi em outras oportunidades, é muito difícil não ficar na duvida, em tudo que vem deste governo "nada é às claras, sempre uma coisa quer dizer outra", alem de constatar que se instalou no governo um vírus do esquecimento... ninguém lembra de ter falado, ou não foi isso que falei. Enquanto isso "lá vem o Brasil, descendo a ladeira"