Até aqui nos ajudou o Senhor

Criando o problema... para oferecer solução!

12/09/2019

O Ministério da Educação (MEC) anunciou na quarta-feira (11) a reativação de 3.182 bolsas de pesquisa do Capes (Centro de Aperfeiçoamento do Ensino Superior). Os cortes foram divulgados neste ano pelo governo Jair Bolsonaro. O que parece é que o governo está criando confusão, para apresentar solução. Na semana passada o MEC anunciou o corte de 5.613 bolsas de pesquisa. Segundo o MEC o investimento realizado para a retomada destas bolsas giram em torno de R$ 22,4 milhões, neste ano. De acordo com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a decisão ocorreu após negociações com o Ministério da Economia. "A gente só vai dar a bolsas se a gente tiver condições de pagar", diz o ministro sobre os recursos do Capes. Sem dúvida alguma esta é uma medida inteligente, mais deixar de pagar as bolsas já distribuídas, faz com que pesquisadores optem por dos passos na vida, e ambas muito triste para o país, ou abandonem a carreira ou ainda pior, saiam do país para concluírem suas pesquisas no exterior que fica com todo o crédito da descoberta. O ministro também afirmou que o governo garantiu um investimento de R$ 600 milhões para as bolsas de pesquisa já vigentes no próximo ano. O presidente da Capes , Anderson Ribeiro Correia, declarou que o aumento vai possibilitar o pagamento das bolsas ativas, incluindo as liberadas nesta quarta, até o fim de 2019. Anderson ainda declarou que os recursos liberados pelo MEC serão reativados em duas etapas diferentes. "Parte das bolsas será reativada em setembro, [outras em] outubro e novembro. A própria universidade é que vai decidir", explica o presidente do órgão. Para o próximo ano, não há recursos previstos para novas bolsas do Capes. O projeto de lei orçamentária proposto pelo governo mantém cortes de investimentos nos benefícios para pesquisadores, passando dos R$ 4,25 bilhões de 2019 para R$ 2,2 bilhões em 2020. 

Fonte: Ultimo Segundo-IG