Até aqui nos ajudou o Senhor

As Fakes News não param

15/10/2019
Foto Divulgação/Arquivo Internet
Foto Divulgação/Arquivo Internet

As Fakes News não param, o governo tem feito circular nas redes sociais fotos mostrando militares do Exército Brasileiro trabalhando na pavimentação de estrada e pistas recém asfaltada um verdadeiro tapete. As legendas das fotos dizem ser de trabalhos recentes de batalhões de engenharia do Exército durante o governo Jair Bolsonaro. As postagem logo atingiram milhares de compartilhamentos , alguns com a frase "deixa o homem trabalhar". Entretanto, das imagens que invadiram as redes, somente uma onde aparece o ministro de Infra Estrutura tem relação com o atual governo. Uma das fotos onde aparece um caminhão do Exército pavimentando uma estrada publicada em fevereiro, faz parte de um convênio entre o estado de Santa Catarina e o 1º Batalhão Ferroviário e trata de uma das etapas da construção da rodovia Caminhos da Neve (SC-114), em São Joaquim (SC), assinado em 2007. A imagem do tapete é ilustrativa e começou a circular em fevereiro 2014 pelo portal Conexão Tocantins, em reportagem sobre o asfaltamento da rodovia TO-010 entre o município de Ananás e a BR-153. Outras fotos são verdadeiras montagens mostrando o antes e o depois de um serviço de recuperação da BR-163, rodovia que começa em Tenente Portela (RS) e chega até Santarém (PA), passando pelo porto de Mirituba. A montagem tenta creditar a obra como realizada já no governo Bolsonaro, o FATO é, as obras do Exército na BR-163 foram iniciadas em setembro de 2017, ou seja ainda no governo passado e não depois que Jair Bolsonaro assumiu a presidência, em janeiro de 2019, como quer fazer crer a imagem. De acordo com um boletim, publicado pelo Dnit em 25 de fevereiro de 2019, as obras do Exército estão em estágio avançado, mas ainda não foram concluídas: "Houve grandes avanços com a eliminação dos principais pontos de gargalos na trafegabilidade, que são as serras da Anita e de Moraes. Por ter uma rampa muito íngreme para vencer as serras, e por estar em revestimento primário, estes trechos são constantes alvos de bloqueios neste período pelo tráfego pesado de carga. O rebaixamento de ambas as serras já foi 100% concluído, restando apenas serviços de drenagem profunda e superficial e posteriormente sua pavimentação".