Até aqui nos ajudou o Senhor

Especialistas já chamam a politica de segurança publica do governo do Rio de Janeiro de " A política da morte" 

22/09/2019
Foto Divulgação/Arquivo DCO
Foto Divulgação/Arquivo DCO

As últimas eleições vão marcar a história do país, como a eleição onde os leitores fizeram as piores escolhas possíveis. O ano nem terminou e 40% dos eleitores já se arrependeram de suas escolhas. Ontem (21) assuntos ligados a política nacional tomaram conta das redes sociais e o Rio de Janeiro foi o principal alvo. A hashtag "A culpa é do Witzel" está em primeiro lugar. Deflagrada pela morte de uma menina de oito anos, em uma ação policial no Complexo do Alemão (RJ). A menina foi atingida e morta por um tiro de fuzil dentro de uma kombi na rua do complexo. A menina estava com o avô que faz este desabafo "Mais uma na estatística. Vai chegar amanhã e dizer que morreu uma criança no confronto. Que confronto? Confronto com quem? Porque não tinha ninguém, não tinha ninguém. Ele atirou por atirar na kombi. Atirou na kombi e matou minha neta. Isso é confronto? A minha neta estava armada por acaso para poder levar um tiro?", disse o avô. Os parentes da menina Agatha Vitoria Sales Félix, de 8 anos, entraram em desespero quando receberam a notícia da morte da criança e criticaram a ação da Polícia Militar, segundo moradores da região, PMs atiraram contra uma moto que passava pelo local e o tiro atingiu a criança no interior do veículo. O número de jovens e adolescentes mortos ou feridos em ações de polícia militar do Rio de Janeiro cresceu assustadoramente neste mês Agatha é a quinta criança abatida só este mês. É inaceitável qualquer desculpa oficial dada sobre a morte de uma criança de 8 anos. É o assassinato deliberado da infância, do futuro. A política da morte de Witzel matou Ágatha e se nós não fizermos nada continuará assassinando. Tem que parar!