Até aqui nos ajudou o Senhor

" não sou a favor de quem destrata a democracia em seu pleno vigor"

14/08/2019

O presidente não para de surpreender. Neste final de semana (11), na saída do palácio da Alvorada, ao tomar às mãos um microfone da Rede Globo, pediu que as emissoras quando pudessem reproduzissem a música "Chuva de Honestidade" e conclui, acho que é uma canção mais velha que eu, (de) 1954, e que o Nordeste sempre precisou foi disso, chuva de honestidade. E o Brasil agradece. O presidente equivocou-se quando afirma que a música é de 1954 e equivoca-se também em dizer que o nordeste "sempre precisou foi disso" (chuva de honestidade). Em 2018 a canção foi utilizada em um perfil de apoio a campanha do candidato do candidato Bolsonaro. Depois disso o cantor proibiu o uso da canção por todas as campanhas políticas do segundo turno. "Nenhuma das campanhas postas para este segundo turno está autorizada a usar minha música como referência. Principalmente esta (de Bolsonaro) que ora se utiliza da mesma. Não sou a favor de quem destrata a democracia em seu pleno vigor", postou o cantor nordestino Flavio Leandro em suas redes sociais à época. A canção mostra a história do povo nordestino e deixa claro que o que precisa de chuva de honestidade não é o nordeste nem os nordestino, e sim, desonestos que usam deste povo para suas aspirações pessoais.