Até aqui nos ajudou o Senhor

Só pra' ninguém esquecer... Quem manda sou EU p***a!

20/08/2019

Agora é oficial a Receita Federal inaugura a era da intervenção política no órgão. O subsecretário-geral, João Paulo Ramos Fachada Martins da Silva, será substituído pelo auditor José Assis Ferraz Neto. A troca ocorre em meio a uma crise no órgão, cuja cúpula ameaça se demitir coletivamente após a pressão do presidente. Antes da nota, a notícia de que o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, havia decidido fazer a troca já havia sido divulgada. Rumores dão como certo que a troca vem para favorecer familiares e pessoas ligadas ao chefe do Planalto. Além da negativa do superintendente da Receita no Rio de Janeiro, Mário Dehon em trocar delegados chefes de duas unidades no Estado, um deles no Porto de Itaguaí, que segundo investigações é ponto central de armas e drogas de milícias no Rio. Dehon também corre o risco de ser exonerado, de forma a assegurar as substituições nos dois postos que estariam sendo exigidos pelo governo. O próximo alvo será a cúpula da PF do Rio de Janeiro, onde é investigado o senador Flávio Bolsonaro, Fabricio Queiroz e outros suspeitos de movimentação atípica de dinheiro