Até aqui nos ajudou o Senhor

Zona da Mata e Região tem grandes vocações, mas carecem de investimentos 

21/07/2019
Áureo Barbosa, Fernando Pacheco, Coronel Henrique, o prefeito Edson Teixeira Filho, Marina Pacheco Simião, Tenente Coronel PM Giovani do Carmo Ramos durante a audiência (Foto: Ricardo Barbosa/ALMG)
Áureo Barbosa, Fernando Pacheco, Coronel Henrique, o prefeito Edson Teixeira Filho, Marina Pacheco Simião, Tenente Coronel PM Giovani do Carmo Ramos durante a audiência (Foto: Ricardo Barbosa/ALMG)

Que a região da Zona da mata está carente de investimentos estadual é uma constatação, nesta semana um grupo de empresários e políticos de Ubá e outros municípios da região se reuniram com a Comissão Extraordinária de Turismo e Gastronomia da ALMG e discutiram sobre estratégia de fomentos ao desenvolvimento da região. Na oportunidade foram apresentados dois Projetos de Lei. Apesar de gerar a anos, cerca de 14 mil empregos diretos e movimentar bilhões por ano. O polo moveleiro da região não existe formalmente em lei. Razão pelo qual o deputado Coronel Henrique apresentou o PL 515/19 que declara Ubá a capital estadual da indústria moveleira e o PL 518/19 propondo a criação oficial do polo moveleiro que além de Ubá farão parte também as cidades de São Geraldo, Guiricema, Visconde do Rio Branco, Guidoval, Rodeiro, Guarani, Piraúba e Tocantins. Outro ponto destacado na reunião foi a vocação região da Zona da Mata para o turismo de negócio, nós do Jornal Fique de Olho, vemos nossa região também vocacionada para o ecoturismo e o turismo gastronômico, em 2017 fizemos uma série de reportagens sobre este tema, acreditamos que esta vocação precisa ser olhada com carinho pela comissão. A Femur, feira de móveis e decorações realizada no Horto Florestal de Ubá, já integra o calendário oficial de eventos da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo, segundo a superintendente de Gastronomia e Marketing Turístico, Marina Simião. A próxima edição será realizada entre 20 e 23 de janeiro de 2020. Segundo ela, o turismo de negócios é um dos focos da atual gestão no Estado, e outras possibilidades de levar eventos para a região estão sendo estudadas. O prefeito de Ubá Edson Teixeira Filho lembrou que a primeira empresa moveleira se instalou na cidade na década de 60, atualmente são mais de 300 empresas que carecem de investimentos em infra estrutura, para continuarem a operar. Ele cita o caso de empresas em funcionamento a mais de 40 anos, que hoje correm o risco de encerraram atividade, pela não renovação das licenças ambientais. Esta é uma situação que precisa ser olhada com carinho por parte do senhor governador. O presidente do Sindicato Intermunicipal das Indústrias do Mobiliário de Ubá, Áureo Barbosa, disse que a intenção é transformar o polo moveleiro em um centro de inteligência e de soluções para o setor de móveis, na busca de eficácia, sustentabilidade e eficiência fiscal. Ele ressaltou que existe um amplo trabalho de pesquisa para desenvolver matérias-primas ecologicamente corretas. Também já existe um projeto para produzir energia alternativa com os resíduos gerados pelas fábricas. Outra importante reivindicação é a transformação do Corpo de Bombeiro Militar local em uma companhia independente e melhor equipada. Tudo já vem sendo pensado pelas empresas ao longo de muitos anos de estudo, falta uma participação do estado para que este projeto possa sair do papel e a região da Zona da Mata possa mostrar seu potencial ao Estado.

O município de Ubá abriga o maior polo de fabricação de móveis do Estado - Arquivo ALMG - Foto: Guilherme Bergamini
O município de Ubá abriga o maior polo de fabricação de móveis do Estado - Arquivo ALMG - Foto: Guilherme Bergamini