Até aqui nos ajudou o Senhor

Ministério das Relações Exteriores consegue barrar discurso de governador do Amapá. Se o presidente não pode, ninguém pode

24/09/2019

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, protestou contra o fato de um representante de governo estadual ser convidado enquanto o governo federal não estaria presente no encontro. Foi certamente um golpe duríssimo de absorver, tanto que Itamaraty interferiu diretamente para cancelar do discurso do presidente do Consórcio Amazônia Legal, o governador do Amapá, Waldez Góes (PDT), durante encontro organizado pela França, Chile e Colômbia para discutir o desmatamento na Amazônia, nas Organizações das Nações Unidas (ONU) em Nova York, o governador foi convidado formalmente pelos presidentes Emmanuel Macron, da França, Sebastián Piñera, do Chile, e Iván Duque, da Colômbia, para participar do evento. Segundo os organizadores do evento, desde a última quarta-feira o governo colombiano, sob pressão do Ministro Araújo, cria grandes obstáculos à participação de autoridades estaduais, especialmente discursando no evento. Obviamente, as pressões tem motivos, isso porque, nestes oito meses, o desmatamento da Amazônia aumentou 92%, para 6.404,8 quilômetros quadrados, conforme apontaram os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e por causa deste desastre, a Alemanha havia anunciado a suspensão de quase R$ 155 milhões destinados a projetos de preservação ambiental no Brasil e a Noruega anunciou o bloqueio de cerca de R$ 133 milhões, destinados ao Fundo Amazônia. E falar sobre isso não é bom para as Relações Exteriores.