Até aqui nos ajudou o Senhor

Não vai demorar e o último vai apagar as luzes

03/02/2022
Foto Divulgação Internet/Gustavo Ene
Foto Divulgação Internet/Gustavo Ene

Desta vez, foi a vez do secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura da Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade, Gustavo Ene, a pedir demissão do cargo e provocar mais uma baixa no Ministério da Economia. A exoneração foi publicada no Diário Oficial da União de ontem (2) e a decisão acontece dias após a saída do secretário especial de Produtividade e Competitividade, Carlos da Costa, a quem Ene era subordinado. Costa assumirá o cargo de chefe do escritório do Ministério da Economia junto à Embaixada do Brasil em Washington, nos Estados Unidos. O posto foi criado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) na semana passada. Gustavo Ene, por sua vez, deve voltar à iniciativa privada. O mais cotado para substituí-lo é Gabriel Fiuza, também da secretaria. Desde o início do governo, o Ministério da Economia já teve mais de 15 baixas nos principais cargos, como secretários especiais e presidentes de bancos estatais. Alguns destes servidores de alto escalão nomeados, embora não tenham aspirações políticas, precisam manter seus nomes em alta, já que fora do governo alguns são reconhecidos e têm uma vida profissional dentro da iniciativa privada. A saída objetiva manter esse reconhecimento.