O governo e a falsa sensação de que esta tudo bem

25/01/2022

A população merece ser tratada com respeito, ao invés de tentar passar a falsa sensação de que tudo está bem. A apenas oito meses à frente da Diretoria de Avaliação da Educação Básica (Daeb), Anderson Soares Furtado Oliveira, entregou o cargo de responsável pelo Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Oliveira afirma que os motivos são estritamente pessoais, mas deixa um "porque" em aberto ao declarar. "Declaro que meu compromisso à frente dessa diretoria foi de assegurar a robustez técnica dos trabalhos, bem como me dedicar para garantir o direito à educação de qualidade, equitativa e inclusiva, consequentemente, produzir o impacto social. Além de trabalhar para o fortalecimento institucional que só pôde ser garantido por meio da qualidade técnica dos servidores e colaboradores envolvidos, a exoneração do responsável foi publicada hoje do DOU (Diário Oficial da União). Oliveira é o sexto titular da Daeb nomeado durante esse governo. Ele vinha tentando deixar o posto há algum tempo, em meio a embates com o alto comando do instituto, inclusive com o presidente Danilo Dupas. O Enem 2021 foi marcado por uma grande crise, que levou a primeira demissão coletiva nesse governo, onde 37 servidores entregaram seus cargos comissionados de chefia. Na semana passada, a Diretoria de Gestão e Planejamento do Inep também teve o chefe substituído. Alexandre Avelino Pereira exonerado do cargo. Um dia depois, coordenadores do departamento foram demitidos das funções comissionadas. Embora o governo tente dizer que as saídas fazem parte de uma série de trocas em cargos de comando e de coordenação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) após a finalização dos trabalhos relacionados ao Enem 2021. As dispensas mais parecem retaliação, pois foram exonerados os servidores que assinaram a carta pública denunciando "fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima" do órgão e episódios de assédio moral estão sendo substituídos caso de coordenadores da Diretoria de Gestão e Planejamento. Outros, mesmo não tendo endossado oficialmente o documento com o pedido de entrega de cargos, portaram-se de forma crítica nos últimos meses em relação à gestão do Inep e também foram exonerados. Os prejuízos ao Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) são imensos, as trocas constantes em cargos de comando no Inep acarreta entraves na gestão do órgão, responsável pelas avaliações educacionais de larga escala no país, os ocupantes que chegam ao posto, sobretudo se não são do instituto, levam um tempo para conhecer o funcionamento e se apropriar das rotinas, colocando em risco cronogramas de provas e a própria qualidade dos exames e simplesmente, quando começam a se familiarizar são demitidos, explicam funcionários do quadro técnico ouvidos sob a condição de anonimato. Um verdadeiro desmanche da educação no país