Até aqui nos ajudou o Senhor

O QUE É BOM PARA O MUNDO NÃO SERVE PARA O BRASIL

10/06/2019
Foto Divulgação/Mobilize.org
Foto Divulgação/Mobilize.org

Ainda falando sobre a proposta de afrouxar as regras de alguns pontos do Codigo de Transito Brasileiro, um estudo realizado na Dinamarca, Espanha e na Itália, mostram que o sistema de pontuar infrações nestes países mudou o comportamento dos motoristas e contribuiu para a queda no número de infrações, lesões e mortalidade no trânsito. isso põe a proposta do presidente na contra mão. Trabalhos científicos têm mostrado a eficácia do sistema de pontos para conter a violência no trânsito (entretanto nossos líderes não dão atenção a trabalhos científicos). Adotado em 2003 na região de Veneto, Itália, o sistema de pontos foi seguido por um aumento no uso de cinto de segurança de entre os condutores. Dados do estudo publicado no "Journal of Epidemiology & Community Health" em 2007. Após a introdução do sistema, aponta que houve recuo de 18% nas mortes e de 19% nas lesões. Em Copenhague, os motoristas reduziram a frequência de infrações de trânsito em até 30%. E a medida levou à redução de até 20% na probabilidade de que os motoristas cometam violações de trânsito. A pesquisa foi realizada pelo Departamento de Economia da Universidade de Copenhague em 2014. Outro estudo avaliou o efeito do sistema de pontuação na Espanha sobre 29.113 mortes em acidentes de trânsito entre 2000 e 2007. O modelo foi introduzido em 2004 e o levantamento considerou os cenários anterior e posterior à implementação da medida. Estima-se que 618 pessoas teriam morrido em acidentes nos 18 meses seguintes ao de implementação, caso ele não estivesse em vigor. Enfim, a medida pode parecer ser simples mais põe fim a uma conduta comportamental que o Contran levou anos para conseguir, comportamentos que reduziram em muito o número de acidentes no trânsito. Isso só falando da alteração do limite de pontos.