Secretario de Cultura e seu adjunto viajam a serviço aos EUA um custo de mais de R$ 78 mil pagos pela União

10/02/2022

O secretário especial de Cultura do governo federal, Mário Frias, realizou uma viagem [oficial] a Nova York em dezembro de 2021, ao custo total de R$ 39 mil. O portal da transparência do governo federal registra a viagem e seus custos. A justificativa apresentada no Portal da Transparência, alega que a viagem ocorreu porque o secretário foi convidado pelo roteirista Bruno Garcia e pelo lutador Renzo Gracie para "apresentarem um projeto cultural envolvendo produção audiovisual, cultura e esporte". Sem mais detalhes sobre a viagem. Estranha saber que o secretário foi convidado e quem arcou com as despesas foi a União, não deveria ser o contrário? De acordo com o Portal da Transparência do governo federal, os voos de ida e volta de Frias na classe executiva custaram R$ 26 mil (R$ 13 mil cada trecho). Em diárias, o secretário recebeu R$ 12,8 mil. Também foi contratado um seguro de R$ 305, totalizando R$ 39,1 mil. Quem também o acompanhou por conta da União foi o de seu adjunto, Hélio Ferraz, que também voou ao custo de R$ 26 mil e recebeu diárias de R$ 12,8 mil, mais seguro de R$ 261. No total essa viagem custou aos cofres públicos R$ 78,2 mil. A viagem teria sido classificada como "urgente". Em seu twitter o secretário disse que não pagou essa quantia, na viagem, ele escreveu " Tenho todos os documentos que comprovam a mentira propalada por esses jornalistas e estamos avaliando notificá-los para prestar explicações, de forma judicial, sobre essas fantasiosas informações". O secretário sabe bem que tudo que está sendo noticiado consta do portal da transparência do governo federal, clique e comprove. Se existe alguma inconsistência, nós jornalistas não temos nada com isso. Se ele realmente não pagou esses valores na viagem, mesmo assim terá que explicar o outro destino, já que o pagamento consta no portal.