Servidores do Banco Central em alerta de greve

03/02/2022

O Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central) divulgou uma nota prometendo "recrudescimento" das mobilizações em prol do reajuste salarial, sendo assim, os servidores afirmam que se o governo não se posicionar até o dia 23 de fevereiro, entrarão em greve por tempo indeterminado a partir de 9 de março de 2022. A paralisação foi aprovada com mais de 90% de apoio dos participantes da assembleia virtual da entidade, ainda hoje (3) representantes da instituição pretendem se reunir com o presidente Roberto Campos Neto. Embora a última conversa com Campos Neto tenha sido positiva, as últimas declarações do presidente Bolsonaro, do deputado Ricardo Barros e dos ministros Ciro Nogueira e Paulo Guedes sugerem que o reajuste será restrito aos policiais federais, e que se isso ocorrer a categoria aprovou "manter a paralisação". Após a fala despropositada do presidente que "todos os servidores" devem ser atendidos com um "percentual bastante razoável" em 2023 [ o que pode ser considerado crime eleitoral], servidores se mobilizaram em Brasília para cobrar reajuste salarial do governo. A nota do Sinal diz que é preciso ficar atento à promessa, que "mesmo frágil, pode servir de subterfúgio para aplacar, ao menos em parte, a crescente insatisfação das carreiras." O documento lembra ainda que 2022 é ano de eleições e os servidores públicos federais representam uma parcela do eleitorado que não pode ser desprezada."Portanto, não resta alternativa que não o recrudescimento da mobilização pela reestruturação de carreira, com reajuste salarial. O Sinal convoca você, servidor do BC, a aderir à paralisação parcial do próximo dia 9 de fevereiro."